Festival chega na sua 13ª edição em 2019 adotando novo nome e reafirmando seu compromisso com o momento da música e da cultura no Brasil e no Mundo.

 

Nos últimos 10 anos vimos novas expressões musicais e de comportamento ganhando muito força não só no Brasil como em todo o Mundo. Estas novas expressões foram fundamentais para uma renovação estética e curatorial do cenário de festivais independentes no Brasil, com a diversificação da programação e a inclusão de estilos e performances musicais diversas.

Ao mesmo tempo, eventos e novos movimentos muito potentes surgiram em todo o mundo posicionando uma nova forma de ativismo e de luta por direitos, que tem a cultura como eixo central e propulsor. Os feminismos, o ativismo negro e periférico, a luta dos LGBTs, a defesa do meio ambiente, a militância alimentar, entre outras lutas, apresentam temas que partem da cultura para entender e disputar a sociedade, e isso se reflete também na expressão musical e na arte contemporânea.

O Grito sempre foi um festival conectado ao seu tempo e as mudanças em curso em nosso planeta. Pioneiro em sua lógica Integrada, colaborativa e descentralizada, o Festival tem uma trajetória de expansão e capilarização pelo Brasil e pela América Latina sem precedentes, chegando a mais de 400 cidades, de 40 países, e articulando campanhas e ações muito conectadas a todas estas transformações e novas expressões ativistas e comportamentais.

Mais do que um Festival, o Grito é a expressão de um projeto novo de sociedade a partir da música e da cultura, que corta o século XXI apresentando práticas colaborativas e descentralizadas, e levando consigo valores e princípios de transformação que inspiraram toda uma geração no Brasil e na América Latina, e que de certa forma faz parte do imaginário e do nascimento de importantes festivais em todo o Mundo nos anos 60.

Sabemos como o ROCK e sua forma de expressão contestadora e transgressora inspiraram gerações pelo mundo afora e construíram uma importante base para canalizar sentimentos e desejos de mudança e transformação. Ao mesmo tempo, ele foi rota de fuga e espaço de convivência para uma parte da sociedade que não se sentia representada ou envolvida pelos ritmos populares que tomam conta do Brasil durante o Carnaval.

Mas esta realidade tem se transformado. Tanto o Carnaval se alargou e passou a contar com formas e expressões diversas em sua festa, como outras expressões musicais e culturais ocupam espaço relevante para canalizar os desejos de mudança e o sentimento jovem e crítico.

É por isso que a partir de agora somos GRITO FESTIVAL. Diverso, contestador, crítico e festivo. Um grito para além de um único estilo, mas que possa ser de diferentes vozes, com diferentes ritmos e melodias. É assim que chegamos a 13ª. edição como se estivéssemos começando e prontos para receber quem acredita que a música é a melhor forma de conectar as pessoas.

HISTÓRICO
Depois do início das edições integradas em 2007, o Grito cresceu exponencialmente e em 2011 alcançou a marca de 130 cidades, em oito países, movimentando 2 mil bandas e aproximadamente 200 mil espectadores. Em 2012, foram 205 cidades realizadoras, 37% a mais em comparação com 2011, envolvendo a participação direta de 700 produtores culturais, de 15 países diferentes. Finalmente, em 2014, ganhando amplitude global, o festival alcançou mais de 300 cidades e 35 países, tendo edições em vários países da América Latina, América do Norte, Europa e África.

FORA DO EIXO
O Fora do Eixo é uma rede de Cultura e Comunicação que reúne coletivos e parceiros espalhados em cerca de 300 cidades brasileiras. Em mais de dez anos de atuação impulsionou a criação de dezenas de projetos, que, por sua vez, estimularam o desenvolvimento de outras redes, tais como a Universidade das Culturas, o Banco das Culturas, a Rede Brasil de Festivais, a Mídia NINJA e o próprio Grito Rock.

GRITO
Sem proprietários e patrocinadores master, o Grito é um festival colaborativo, baseado em tecnologias livres. Em 2019 acontece no período entre 01 de março a 30 de abril. Produtores independentes podem inscrever-se para participar e realizar uma edição em sua cidade. O formato colaborativo permite que, a cada ano, mais produtores compartilhem experiências e fortaleçam a cadeia produtiva da música local ao passo que cria conexões em âmbito global.

O Grito busca democratizar o acesso à informação e facilitar a produção de cada evento oferecendo cartilhas, tutoriais e campanhas na área de produção, comunicação, sustentabilidade e formação. Todo conteúdo é disponibilizado para uso dos produtores e possibilita ainda um canal direto de diálogo, visando o fortalecimento de uma rede global de música.

SERVIÇO
Grito 2019 – 13ª edição
Data: 01 de março a 30 de abril de 2019

Contatos:
[email protected]

Este conteúdo está disponível em: Español English